Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Rosa Affair

Rosa Affair

Não assustem as vossas crianças

Este post é para bater forte nas nossas cabeças. Não é para julgar ninguém mas apenas para vos por a pensar um bocadinho.

Nós pais, inclusive eu, estamos a perder a nossa capacidade de ter paciência. Quanto mais olho a meu redor mais me apercebo que perdemos a paciência constantemente com os nossos filhos.

Então, vamos parar e vamos pensar um bocadinho.

Foram ou não foram os nossos filhos desejados? Sabíamos para o que íamos? Talvez não. Estávamos preparados? Talvez não. Estamos arrependidos? Não. São crianças? Sim.

Reparo frequentemente que nós perdemos a paciência com coisas básicas do dia-a-dia. Quando eles não comem, quando se sujam, quando não dormem, quando fazem birra, quando não se despacham, quando não se vestem, quando fazem xixi nas cuecas, quando querem usar o nosso telemóvel, quando não nos deixam estar descansados, quando não fazem o que nós mandamos…

Mas apesar de quando se tem um filho (o primeiro) nós não façamos a mínima ideia do que aí vem, sabemos que eles foram desejados, são crianças e são nossos. Portanto, a primeiro coisa a fazer quando estamos a começar a perder a paciência é respirar fundo.

Não se esqueçam – Respirar Fundoe respirar fundo não é gritar! A não ser que seja uma situação de emergência e que realmente é muito grave, gritar ou falar num tom mais elevado que o normal não ajuda, apenas ASSUSTA. Poderá resultar a curto prazo, porque assustou, mas o que quer que tenha acontecido irá voltar a repetir-se.

Agora, mães e pais pensem um bocadinho. Imaginem a quem os vossos filhos irão recorrer no dia em que uma coisa realmente grave acontecer? Se vocês têm esta atitude de perder a paciência e levantar o tom de voz diariamente ao invés de ter uma conversa firme e assertiva a explicar a razão pela qual a vossa criança não deverá repetir este comportamento, no dia em que realmente acontecer uma coisa grave, a vossa criança não vai até vós contar-vos o que se passou. A vossa criança irá ter uma ideia errada de vós e vai pensar “Se por eu ter entornado sumo no sofá levei um enorme ralhete nem quero imaginar o que vai acontecer se eu lhes contar isto”.

gritos-600x424.jpg

Imagem daqui

Vamos então tentar mudar de atitude. Ou pelo menos fazer um esforço. Optem por fazer jogos e recompensem comportamentos corretos. Digam não de forma firme e assertiva . Trabalhem a confiança que eles terão em vós de forma a que eles tenham sempre alguém a quem recorrer. Irritem-se apenas com comportamentos exageradamente incorretos e tentem percebê-los, eles são crianças!

Posto isto, elaborei uma ideia para quem quiser por em prática. Poderão oferecer um calendário a cada um dos vossos filhos e pendurá-lo na parede. Ao mesmo tempo criem uma caixa (peçam-lhes ajuda) para cada um deles e tenham disponíveis papéis verdes (dão um ponto) e vermelhos (retiram 1 ponto). Durante o dia em vez de perder a paciência, vão escrevendo no papel os bons e os maus comportamentos e coloquem-nos dentro das caixas. Antes de ir deitar uma das coisas a fazer é abrir as caixas e refletir com eles os comportamentos que existiram durante o dia. Depois, mensalmente a criança mais bem comportada deverá ser recompensada e anualmente, por exemplo no Natal a criança que teve o melhor comportamento durante todos os meses, deverá receber um presente extra.

Fica assim a sugestão, mas por favor não assustem as vossas crianças. Ainda estamos a tempo de mudar.

Siga-nos no Bloglovin

Rosa Affair

Mais sobre mim

foto do autor