Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Rosa Affair

Rosa Affair

Que venham os dois anos

Dois anos de nós e tu estão quase a chegar. Não estava à espera que o tempo passasse tão rápido. Na realidade não foi o tempo, o tempo sempre teve o mesmo ritmo. Foste tu! Como é que aquela bebé tão pequenina, está agora uma menina que corre, pula, canta, salta, brinca, ri e que tem uma energia tão grande, que nem sempre é fácil de acompanhar? Cresceste tão depressa, que nem consegui perceber o momento exato em que deixaste de ser bebé e passaste a ser uma menina que já consegue comunicar comigo e com todos. Tens uma personalidade forte, mas continuas a não gostar de colo. Tenho que te confessar uma coisa. Quando queres alguma coisa, a mamã às vezes faz uma pequena chantagem, para que só obtenhas aquilo que queres, se te sentares ao meu colo. É o pequeno preço que pagas, para mimar este coração de mãe e tentar minimizar o meu pequenino desgosto de ter uma filha-que-não-gosta-do-colo-da-mãe. Desafias-me o tempo todo. Mas eu continuo a manter a calma e tento perceber as tuas frustrações, que por acaso são bastantes. Sempre o foram, tu sabes. Contudo e mais uns dias já cantas os parabéns a ti própria e já apagas as velas. Que venham os 24 meses, ou melhor, os dois anos, pois já deixei de contar meses há muito tempo.

Ainda somos tu e eu

41b27ff6d81363defd432fd2f4053307.jpg

Quando recordo como era dantes, penso que agora é bem melhor.

Sem ti não há sentido.

 

Prefiro agora.

Acordo e estás aqui comigo. Chego e corres para mim. Saio e choras por mim. Ainda somos tu e eu. Ainda és a minha bebé e eu a tua mamã. Ainda sou a pessoa mais importante para ti e tu serás sempre a mais importante para mim. É bom senti-lo. Espero que assim seja por muitos e bons anos.

 

Prefiro agora, quando foges e eu corro para não te magoares. Quando só fazes o que eu faço, quando me imitas, quando queres o que eu como, quando me abraças, quando te sentas ao meu lado e quando chamas por mim.

 

Prefiro agora.

Quando ris e quando choras, quando te ensino e quando aprendes, quando falo e quando repetes, quando vês e quando danças, quando ouves e quando cantas. Prefiro agora. Contigo sou bem melhor. Contigo posso tudo. Contigo sou feliz.

 

Minha querida filha.

Imagem Pinterest

It's hurting again...

Filha,

itshurtingagain1.jpg

A partir de hoje, as nossas saídas a duas serão sempre acompanhadas pelo teu carrinho de bebé. Esta regra foi prolongada até atingires os teus seis anos idade e até ao dia em que entrares na escola primária, porque até lá não estou a ver como vamos resolver esta questão. Eu até sou daquelas mães que apela ao bom senso, que diz para respirar fundo, que pensa que bater não resolve, que diz que gritar só assusta, mas hoje, eu respirei, eu apelei, eu pensei e eu falei e não consegui resolver nada. Ouvi-te, gritavas bem alto, mimei-te, dei-te colo e tu compensaste-me com a tua mão bem pesada vezes sem conta, como se eu fosse uma qualquer e não tivesse qualquer autoridade de mãe sobre ti. Falei contigo e tu ignoraste-me, quase que perdi as estribeiras. Todos os meus princípios "quase" que foram por água abaixo. Fizeste-me vir embora, fizeste-me colocar-te à força na cadeira do carro e só aí acalmaste. Sentei-me. Ouvi a tua respiração ainda acompanhada de uma grande fúria a acalmar, assim que colocaste o dedo na boca. Encostei-me ao banco, respirei fundo outra vez e uma pequena lágrima correu pela minha face direita. Às vezes não sei o que te faça. Hurts sometimes...

Imagem Pinterest

A minha pequena Godzilla

Tão pequenina mas com uma força de tamanho gigante. De personalidade forte, bem vincada. É preciso conhecê-la muito bem para a saber levar. Em qualquer sítio provoca terror e quando contrariada evoca toda a sua fúria, provocando um ambiente de destruição incrível. Às vezes é a mãe que fica destruída e devastada por não a conseguir controlar.

Depois a minha pequena Godzilla transforma-se numa Anita (Martine) querida. Está doente. Mostra-se aflita, cansada e com sono. E eu devastada. Peguei-lhe tudo! Agora nada a fazer a não ser benuron e brufen. É agora uma pequena Anita a choramingar e a chamar pela mamã. Só apetece agarrar, proteger e dar mimos. Dá dó ter que ir trabalhar e deixá-la assim. Quero a minha pequena Godzilla de volta, ok?

anita-doente.jpg

 Imagem daqui

E eu estou quase fina. Falta o quase. O hospital resolve (quase) tudo.

Siga-nos no Bloglovin

Rosa Affair

Mais sobre mim

foto do autor