Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Rosa Affair

Rosa Affair

Ser mãe é voltar a ser criança

Sem dúvida que ser mãe é magico e um pouco dessa magia acontece porque voltamos a fazer muito do que deixámos de fazer em adultos. Eis as 7 coisas que faço frequentemente e que me fazem recordar a minha infância.

 

Cócegas: Há muitas cócegas, nos pés, nos braços, na barriga e nas pernas. Seja na troca da fralda, a brincar, ao deitar, eles deliram, riem-se muito e nós também. E tentam fazer-nos o mesmo e nós fingimos que eles conseguem e voltamos a rir-nos imenso. É uma descontração mesmo boa.

 

Saltar em cima da cama: Eu sou mãe que salta em cima da cama com a filha. Desde que seja com cuidado não dou importância ao saltar na cama. Ela pula e eu simulo que pulo só para ela ficar feliz. Andamos à roda em conjunto, cantamos e caímos as duas ao mesmo tempo. E quando isto se traduz nas cócegas, é uma felicidade imensa. É mesmo voltar à infância.

 

Pular nos passeios: Os filhos gostam de imitar os pais e pedem-nos também para os imitar a eles. Gostam de escadas e tudo o que serve para subir e descer. Quando andamos a passear voltamos ao subir e ao descer do lancil do passeio. A pular do passeio para a estrada. A contar um dois três para saltarmos, subirmos e descermos ao mesmo tempo. E rimo-nos muito novamente.

 

Músicas infantis: O nosso reportório de músicas infantis aumenta a 200%. Voltamos a cantar e muito e tem dias que até se torna irritante pois não conseguimos arrancar aquela música da nossa cabeça. Mesmo nos dias que nos esquecemos delas, basta ouvirmos uma expressão contida numa dessas músicas e lá começamos nós a cantá-la mentalmente. A expressão “Vou apanhar ar” tem dado cabo da minha cabeça ultimamente.

 

Desenhar: Desenhar passa a ser uma atividade quase diária. Nem que seja um sol, uma flor, um coração, uma casa, uma árvore, um menino, uma bola, o panda. Chegamos a uma fase que parece que reaprendemos a desenhar e que já conseguimos dar um toque 3D aquela flor que inicialmente era apenas um rabisco. Mais uns anos e estamos aptos a desenhar um jardim e a fazer dele um quadro lá para casa.  

 

Brincar: Não dá para evitar, é brinquedos por todo o lado. Não há dia que não brincar seja alternativa. Brincamos muito. Começamos pelos brinquedos mais básicos, passamos pelos legos, livros e puzzles até ao dia em que nos apanham a jogar à bola, a comprar uma bicicleta de adulto para andarmos com aquela que ofereceram aos nossos filhos, a jogar às cartas, ao uno, a aprender a jogar ao monopólio, à batalha naval, ao pictionary, ao trivial pursuit e mais tarde aos jogos de consola e no computador. Nunca mais vamos deixar de brincar até eles serem adultos.

 

Andar de mão dada: Voltamos ao tempo em que andamos de mão dada. Seja porque eles pedem para se sentir mais seguros, seja porque nós queremos agarrá-los para os colocar em segurança.

 

3c772b2b121336f50f765d9079002b27.jpg

Imagem Pinterest

Siga-nos no Bloglovin

Rosa Affair

Mais sobre mim

foto do autor