Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Rosa Affair

Rosa Affair

Culpa pós dentista!

Acordei bem-disposta. Desliguei o despertador e pelo canto do olho reparo que no calendário do meu telemóvel aparece a palavra dentista. Ainda li três vezes para ver se não era ginecologista ou oftalmologista. Mas não! Era dentista… E dentista no meu dicionário significa “médico que por mais bonito que seja, é desprezível ao ponto de ser necessário fugir dele a sete pés e arranjar desculpas para nunca colocar os pés no seu consultório”.

Comecei logo numa culpa desgraçada que me pôs mal disposta o resto do dia. Ainda há dois dias o mês passado tive que lá ir arrancar o dento do siso e feita parva marquei logo outra consulta, que nem deu tempo para me curar do trauma que passei!

Passei a manhã a tentar arranjar uma desculpa para não ir lá… Não encontrei nenhuma! Já me tinha passado isto da ideia e vai que recebo um sms para confirmar a consulta. Era a desculpa perfeita. Não respondo já ao sms e sei que nunca mais me vou lembrar de responder (normalmente é que me acontece com os outros sms, não respondo logo e depois esqueço-me!). Mas não, nunca mais me esqueci da porcaria do sms. Vai, não vai, vai, não vai, escreve mensagem, apaga mensagem, lá confirmei o raio da consulta. Bahhhhaahh

Why-am-I-so-stupid.jpg

Passei a tarde a imaginar todos os cenários possíveis e imagináveis do que poderia acontecer para que eu tivesse uma desculpa para não por lá os pés.

- Pode ser que me chamem da creche.
- Pode ser que me liguem com um problema urgente do trabalho.
- Pode ser que a médica tenha uma dor de barriga por causa da feijoada que comeu ao almoço e que não consiga ir trabalhar.
- Pode ser que o meu marido tenha que ir a algum sítio urgente e eu tenha que ficar com a B. em casa.

Nada, não aconteceu nadinha.

No final do dia, ainda atulhada em trabalho, mas já me tinha passado a ideia da consulta, disse ao B. pelo skype que tinha de ficar mais um pouco a trabalhar para acabar o que tinha pendente. Vai que ele me responde, “Mas não tens dentista…” Ahhhh parvo, já me tinha esquecido!

Bom, não tive remédio nem desculpa, lá fui eu e cheguei uns cinco minutos mais cedo. Cheguei, sentei-me e comecei a imaginar que a médica estava atrasada com as consultas. Bastou um minuto para o meu cérebro elaborar logo um plano de fuga! Se chegasse às 19h15 e não estivesse a ser atendida, ia reclamar com a rececionista que se a consulta era às 19h, não era às 19h15 e punha-me a milhas… Nisto (19h em ponto) chega a rececionista ao pé de mim e diz “Pode entrar”. Pronto! Impressionante… Hoje nada corre como planeado. Lá vou eu ter me sujeitar a aspirações e brocas e anestesias e dor… Bahhhhaaaa

A coisa correu assim-assim…

Vim para casa bem, mas a pensar o quão o meu dia é miserável quando tenho de ir ao dentista. Ainda nem tava há 10 minutos em casa e parece que a anestesia já tava a deixar de fazer efeito. Miseravelmente fui à procura daqueles comprimidos fortes que tomei quando arranquei o dente do siso e tomei-o. Deitei-me no sofá como se tivesse a morrer até que o comprimido fizesse efeito.

Agora que tudo passou e o comprimido já atenuou a dor, sinto-me uma parva por nutrir estes sentimentos por uma profissão que nos salva de coisas bem piores do que meia dúzia de minutos de dor!

Dammit!

Mais sobre mim

foto do autor